Sobre o projeto

O projeto Andarengo é um nômade contemporâneo, garimpando histórias enquanto toca a vida a bordo de uma Kombi e seu velho motor refrigerado a ar. Andarengo não é uma corrida é uma jornada. Não é só um projeto, é uma empreitada. A viagem como estado de espírito. Um exercício do existir. Um processo de desenraizamento e abertura ao afeto. Andar dissolvendo os esquemas de interpretação já dados. Caminhar plural e criativo em uma sucessão de encontros.

O projeto é cruzar o Brasil em busca de narrativas sobre o cuidado na dimensão humana. Buscar histórias para compreender o Brasil a partir da perspectiva do cuidado.

kombi do projeto andamento no sertão do Brasil

Mas o que é cuidado?

Cuidado é uma posição ética na vida. Um cabra com  nome de Heidegger já dizia isso em um livro bonito e difícil de ler chamado “Ser e o tempo”. E o seu Chico – artesão que fabrica rabecas no interior de Goiás – também disse algo parecido quando falava que é preciso respeitar o tempo de cura da madeira. Cuidado não é só com o outro. É cuidado com a terra, com o fazer, com o conservar. Cuidado é potência de vida. Cuidado é alegria, já dizia Dona Vicentina, parteira de 73 anos do interior do Maranhão.

Brasil-país-continente. Ouvir e ver. Olho de bicho-poeta. Testemunhar para descolonizar. Descatequizar o corpo. Ser o mato, o igarapé, o atabaque, a viola, o chá, o sertão, o pampa, a benzedura. Sem clichês: Nossa cultura é a macumba e não a ópera, já dizia o Glauber.

Português já sei, obrigado. Está na hora de aprender a falar brasileiro.

Assim eu sigo, resistente e inventivo.

Quem sou

Rodrigo Carancho já foi auxiliar de pedreiro, futebolista, empacotador de mercado, limpador de peixaria, estoquista, estagiário de banco, vendedor de material de escritório, brindeiro, treinador de futebol, auxiliar de guia de montanha, editor de jornal esportivo, professor, programador de computadores, auxiliar de loja e uma porção de outras coisas, mas há quinze anos que trabalha no cuidado com o outro. Entre Porto Alegre e Rio de Janeiro acumulou experiências com saúde pública, organizações do terceiro setor e iniciativa privada. Trabalhou com gestão do cuidado, construção de grupos de trabalho, clínica em saúde mental, reabilitação, facilitação de processos, oficinas e formação continuada. Tudo isso com uma abordagem singular de trabalho que entende o cuidado como um ato criativo.

 pessoa em trânsito | profissional transdisciplinar | ensaísta | deseducador | não-fotógrafo | aventureiro | andarilho | escritor | leitor | conversador | observador do mundo | interessado por educação | perplexo | marceneiro | facilitador de grupos | poeta | guitarreiro de dedos duros | amante dos porões | caixeiro-viajante | frequentador do ar livre | oficineiro | filósofo da ignorância | proeiro | nadador de açudes | construtor | assistente do aprendiz | mascate | cantador | mateiro | fabricante | mentiroso | escultor | jogador | provocador | auto-exilado | estrangeiro | alemão-índio | motorista de kombi | mecânico